Marcações e serviços urgentes 24h 365 dias

Raiva

 
Dia Mundial da Luta contra a Raiva

Dia Mundial da Luta contra a Raiva

2023-09-28

O Dia Mundial da Raiva, reconhecido pela Organização Mundial de Saúde, é celebrado todos os anos no dia 28 de setembro e assinala o aniversário da morte de Louis Pasteur, químico que desenvolveu a vacina contra essa doença.

O objetivo das celebrações é erradicar as mortes por raiva canina a nível mundial até 2030. Portugal é um país indemne de raiva – o último caso de raiva autóctone registado em Portugal ocorreu em 1960, mas permanece o risco de introdução da doença.

Vacina da Raiva

A vacina da Raiva é a única que é obrigatória, mas só é reconhecida como válida perante as autoridades se aquando da sua administração o animal tiver microchip devidamente registado no SIAC (Sistema de Informação de Animais de Companhia). Saiba mais sobre a colocação do microchip e a sua importância.

O que é a Raiva Canina?

A raiva canina é uma doença viral que afeta o sistema nervoso central. Todos os mamiferos, incluindo os humanos, podem ser infetados com o vírus da raiva. Quando os sinais clínicos aparecem a raiva é fatal, geralmente, em 100% dos casos. O vírus da raiva é o vírus mais mortal conhecido

                        Foto grátis close no veterinário cuidando do animal de estimação

Fases da Raiva Canina

Fase prodrómica (duração entre 1 a 3 dias):
Sem sintomatologia específica
Alterações comportamentais tais como sonolência, agitação, reação exagerada a ruídos, fobia à luz, perda de “medo”
Micção frequente
Sem alterações do estado geral

Fase de excitação (duração entre 3 a 4 dias):
Agitação e agressividade extrema
Comichão no local da mordedura
Perda de “medo”
Dilatação das pupilas
Ingere objetos pouco comuns
Grande sensibilidade aos ruídos

Fase de paralisia (duração entre 2 a 4 dias):
Paralisia muscular
Incapacidade em deglutir
Produção excessiva de saliva
Mandibula caída
Uivos
Morte por paralisia dos músculos respiratórios

Sinais e Sintomas

Os sinais e sintomas da raiva em cães podem variar dependendo da fase da doença. Aqui estão alguns sinais que podem indicar a presença de raiva em um cão:
Mudanças de comportamento: O cão pode parecer mais agressivo, nervoso ou deprimido do que o normal.
Hidrofobia: O cão pode ter medo de água e mostrar sinais de pavor ao beber água ou ao se aproximar dela.
Letargia: O cão pode mostrar uma diminuição de energia e interesse em atividades normais.
Mudanças no padrão de vocalização: O cão pode uivar, latir ou rosnar de forma anormal.
Hiperatividade: Em algumas fases da doença, o cão pode apresentar hiperatividade ou agitação.
Paralisia: À medida que a doença avança, o cão pode desenvolver paralisia em partes do corpo.
Espasmos musculares: Convulsões e espasmos musculares podem ocorrer em estágios avançados da doença.
Salivação excessiva: Também conhecida como "babar", a salivação excessiva é comum em estágios avançados da raiva.
Mudanças na visão e na coordenação: O cão pode exibir dificuldade em enxergar e em se movimentar de forma coordenada.

Transmissão

A transmissão da raiva canina ocorre, maioritariamente, através da mordida de um animal infetado, com a consequente inoculação de secreções salivares contendo o vírus.

A Raiva em Portugal

O último caso de raiva em Portugal foi registado em 1960. Atualmente, Portugal é considerado um país indemne de raiva e para nos mantermos desta forma é crucial continuar a incluir a vacina da raiva ou vacina antirrábica nos protocolos vacinais dos nossos animais de estimação.

                      Foto grátis veterinário cuidando de cachorro de estimação

Embora não sejam obrigatórias, as outras vacinas das doenças infectocontagiosas não são menos importantes. A não vacinação para estas doenças é, ainda, uma das principais causas de internamentos e mortes nos nossos animais de estimação.